Decisões sobre a declaração não avançam

Por: Isabela Dinis

No segundo dia de decisões, as delegações tiveram que correr contra  o tempo para tomar as decisões sobre a Declaração Universal dos Direitos Humanos.

O comitê AGNU não progrediu muito nesta terça-feira (3). Os debates foram cíclicos, de acordo a delegada da Ucrânia, e não progrediram muito. Os delegados praticamente não mudaram de tópico na agenda e sempre se mantiveram divergências entre as delegações progressistas e as mais extremistas.

A delegada da Argentina afirmou que estava desapontada com repercussão do comitê, visto que os debates sempre estavam focando em um único ponto e demoravam para sair do mesmo, além disso, adicionou que não considera as propostas das delegações, como a do Egito, Índia e Síria, realmente necessárias e efetivas para a declaração. 

As decisões referentes à educação, tópico 2.4 da agenda, foram o foco no início do dia. A discussão se iniciou com um debate não-moderado, onde todos as delegações focaram se o ensino seria especificado – ensino básico e superior – ou não. Os países recém-independentes, em sua maioria com a economia desestruturada, preferem que não ocorra a especificação do ensino. Porém, como são a minoria, por meio de votação, é possível que o ensino seja especificado na declaração.