CIS combate problemas educacionais em comunidade paulistana

Por: Karolina Slindvain

Em seu primeiro dia, comitê realiza dinâmicas de conscientização e prepara projeto de auxílio aos jovens do Jardim Ibirapuera, Zona Sul de São Paulo.

Dentro de simulações da ONU, existem temas tradicionalmente discutidos. Conflitos diplomáticos entre nações distantes, crises geradas pela escassez de recursos naturais, guerras e suas trágicas consequências para todas as nações envolvidas. No Comitê de Impacto Social (CIS), esse panorama muda. Seu conflito: próximo. Sua crise: constante. Sua guerra: contra anos de negligência e desigualdade social.

Em parceria com o Latin American Leadership Academy (LALA), utilizando seus métodos e metodologias, o comitê busca uma possível solução para os problemas educacionais do Jardim Ibirapuera, na Zona Sul da cidade de São Paulo, trabalhando em parceria com a comunidade local, representada por 8 delegados da comunidade e o projeto social Viela, que busca capacitar jovens da região por meio de atividades culturais, lúdicas e profissionais.

No dia de ontem (terça-feira), os membros do comitê participaram de diversas dinâmicas como a “Teia de Privilégios”, onde os delegados projetaram em folha de papel seus privilégios em diversos eixos de suas vidas, como acesso a lazer e cultura, transporte, segurança, entre outros, e puderam observar o contraste entre seus privilégios e os privilégios de seus colegas.

Todos estas dinâmicas tem como objetivo criar relações empáticas entre os delegados e a comunidade que eles visam ajudar, promovendo uma relação mais  horizontal entre as partes. Com a presença da professora Êda Luiz, fundadora do CIEJA Campo Limpo, uma das duas únicas escolas transformadoras reconhecidas pela UNESCO no Brasil, os delegados discutiram qual seria o público-alvo de seu projeto e de qual maneira eles poderiam oferecer o maior impacto para a comunidade em questão por meio de um brainstorming (toró de ideias) coletivo.