Sindicatos e governo argentino chegam a um acordo

Por: Beatrice Helena Marie Schmitke

Recomendações da OEA possibilitaram o diálogo, levando ao fim da onda de protestos

No final dessa quarta (03) o presidente Macri e o líder sindical Héctor García chegaram a um acordo, baseado nas recomendações da OEA, que encerrou a greve generalizada. O congresso voltou a funcionar normalmente e os transportes públicos retomam o ritmo.

Foi recomendado, em documento oficial do comitê, que os direitos trabalhistas argentinos atuais sejam irrevogáveis. As condições de seguridade social também devem ser mantidas, garantindo assim a dignidade dos trabalhadores.

Buscando solucionar a crise econômica inflacionária e o consequente congelamento de preços, alguns dos estopins dos protestos, a OEA propôs a diminuição das tarifas de importação do país, permitindo que os valores das mercadorias diminuam, e a capacitação técnica de mulheres para se reinserirem no mercado de trabalho, auxiliando na empregabilidade de diversos setores sociais.

Foram recomendadas reuniões entre o Ministério da Fazenda argentino com o FMI e com representantes tanto do governo como dos sindicatos, que serão realizadas o quanto antes. Tais termos foram acatados pelos manifestantes, encerrando a crise.