Consensos são necessários

Por: Marcelo Rappaport

Momento delicado e conturbado requer soluções consensuais, negociações objetivas e efetividade

Nessa semana, a comissão orçamentária da Organização das Nações Unidas (ONU) irá decidir sobre mudanças no orçamento da organização e sua reordenação. Esse momento é de suma importância, pois para os programas oferecidos poderem ser executados, é necessário que eles estejam contemplados no orçamento da organização. Caso contrário, eles não ocorrem.

A atual conjuntura é extremamente complicada, já que a entidade passa por um momento fiscal complicado: países estão perdendo poder de contribuição, movimentos populistas antiglobalização se intensificam e, cada vez mais, se questiona a eficiência das ações realizadas pelas Nações Unidas.

Em um momento como esse, o consenso se torna essencial. Os países membros precisam entender o momento de dificuldade vivido pela organização, colocarem disputas de lado e buscarem soluções que cheguem a ações concretas e transformadoras. Caso isso não ocorra, a ONU pode ter sua credibilidade danificada, recursos podem ser reduzidos e, com isso, justamente os mais necessitados são os mais prejudicados. A presença de uma ONU forte e atuante é de extrema importância para o desenvolvimento das nações subdesenvolvidas ou emergentes.

Assim, o apelo para o diálogo se torna mais forte. Apenas a negociação e uma diplomacia voltada a se achar soluções consensuais pode fazer com que o quadro vivido atualmente pela ONU possa ser revertido. Afinal de contas, nunca existe um limite para o fundo do poço e o que está ruim sempre pode piorar.