Questão trabalhista leva a debate ideológico nas primeiras sessões da OEA

Por: Beatrice Helena Marie Schmitke

Organização dos Estados Americanos reúne-se para discutir meios para ajudar a Argentina a sair da crise, focando em investimentos em áreas estratégicas.

Nessa terça (02) começaram as discussões da OEA em busca de resoluções para a atual crise econômica argentina, estagnada desde 2013 com altos índices de inflação. Essa crise levou ao agravamento de questões sociais no país, com altos índices de desemprego e baixo poder aquisitivo da população.

As primeiras reuniões foram marcadas pelo forte debate ideológico. As soluções propostas pelo comitê, principalmente pelos EUA e pelo Brasil, foram baseadas no investimento em áreas estratégicas da economia argentina, tais como energia, infraestrutura e turismo. Para tanto seria necessário, na visão de boa parte das delegações, a flexibilização das leis trabalhistas, atraindo assim investimentos de grandes empresários e financiamento de organizações internacionais.

Outros países presentes, como a Bolívia e a Venezuela, defenderam que o governo Macri “golpeou duramente os direitos dos trabalhadores”, em concordância com o discurso do presidente da associação trabalhista argentina, que ameaçou organizar manifestações caso essa recomendação seja seguida.