Orçamentário retorna ao ECOFIN com reposta às propostas dos delegados

Por: Letícia Souza

Em meio a sugestões que não passaram, comitê reforça a necessidade de respeito à soberania nacional

Hoje (4), em sua sétima sessão, o ECOFIN recebeu mais uma vez membros do Orçamentário — desta vez com algo além de questionamentos: um documento de resposta.

Reiterando o que havia sido discutido ontem, a declaração apresentou um número considerável de propostas que foram inteiramente negadas pelo comitê, tanto pela inviabilidade do método quanto pela desatenção dos delegados em relação à questão da soberania nacional. Dentre as apontadas, destacam-se propostas dos dois claros exemplos de impasse.

A primeira é referente às baratas transgênicas, noticiadas anteriormente pela imprensa no dia 3 deste mês. Numa informação divulgada após a publicação da notícia, o Bloco Asiático, em tese, propôs a utilização de 1 bilhão de baratas geneticamente modificadas que acabariam com o problema do lixo comendo-o.

De acordo com o Orçamentário, a proposta das baratas é inviável por diversos motivos. Dentre eles, o fato de que os insetos ocupariam um espaço equivalente a 5.330mil contêineres e um volume de, aproximadamente, 360mil m³.

Já a segunda proposta barrada refere-se a algo extraído do documento produzido pelos blocos do ECOFIN: Seria pedido aos países desenvolvidos que estes cedessem parte de sua tecnologia a outros que não têm essa característica tão presente. No documento de resposta, a medida não poderia ser posta em prática por contrariar o princípio da soberania nacional.